5 coisas que eu, você e o Zoobomafoo podemos aprender com desenhos

Todo mundo gosta de desenho animado, isso é um fato. Sejam os desenhos antigos, os novos, os nem tão antigos, os filmes da Pixar ou da DreamWorks. Todo mundo gosta de alguma animação.

Untitled-2

Mas, verdade seja dita, os desenhos de hoje em dia são os melhores. Seja por não serem mais meros experimentos, seja pelo avanço tecnológico que torna animação mais fácil ou seja pelo fato de que os roteiristas de hoje viram os desenhos de antigamente e decidiram fazer algo incrível. Os desenhos atuais têm mostrado um novo leque de opções que, antigamente, não se tinha. E, junto com toda essa diversidade de estilos e histórias, sempre é possível perceber nessas animações algumas lições de vida para as crianças, adolescente e adultos que assistem. Então vamos lá para as cinco lições que os desenhos modernos nos ensinam.

(ATENÇÃO! Esse post contém spoilers dos seguintes desenhos: Adventure Time, Gravity Falls, Star vs. The Forces of Evil e Steven Universe)

 

1. Ser ruim em alguma coisa é o primeiro passo pra ser meio que bom em alguma coisa.

No penúltimo episódio da primeira temporada de Adventure Time, Finn e Jake se encontram com seu herói favorito, Billy, que ensina pra eles que é melhor enfrentar o mal de uma maneira pacífica ao invés de simplesmente sair socando a cara dos malfeitores por aí. Já que Billy é o grande herói, os dois tentam fazer isso. Porém, toda vez que eles vão ajudar às pessoas, algo dá errado e a situação só piora. Nesse momento, Jake fala pro Finn “Sucking at something is the first step to being sorta good at something.” (Ser ruim em alguma coisa é o primeiro passo pra ser meio que bom em alguma coisa).

Quando você é criança, é comum ouvir que você é bom em várias coisas, e que quando crescer você devia virar médice, ou engenheire, ou músice, etc. Mas quando você cresce, você percebe que não é bem assim, e é sempre um choque descobrir que você não é tudo aquilo que achava que era. Então, ter um personagem falando que não só você vai ser ruim em algo, como possivelmente você não será nenhum pouco bom nessa coisa, é importante.

 

2. É importante conversar com as pessoas sobre como você se sente.

Para aqueles que não assistem Steven Universe, aqui vão algumas notas:

Gems são alienígenas capazes de assumir a forma que quiserem. Elas tem poderes mágicos, são capazes de conjurar armas, controlar elementos, tem força e resistência sobre-humanas. Quando duas gems se encontram em sincronia, elas podem se unir atrás de uma fusão, se tornando uma gem totalmente nova, com novas habilidades e personalidade. Essas fusões são de extrema dificuldade, visto que todas as partes envolvidas precisam se manter em sincronia. Logo, é possível perceber a importância da fusão no universo de Steven Universe.

Gems não nascem, elas são feitas. Uma gosma é injetada no solo, e depois de anos elas saem de lá com uma forma e um papel que deve ser cumprido pelo resto de sua vida. Porém, uma gem, Rose Quartz, decide ter um filho com o humano Greg. Ao fazer isso, Rose teve que desistir da sua forma física para que Steven pudesse existir. No entanto, Greg não era o único que estava apaixonado por Rose: Pearl, outra gem, que lutou ao lado de Rose há 5000 anos, também tinha sentimentos por ela.

Agora que vocês já tem uma síntese dos acontecimentos, vamo ao que interessa.

Untitled-3.png

No episódio We Need to Talk (segunda temporada, episódio 12), Greg descobre que Steven pode se fundir com a Connie (uma humana), coisa que nunca havia acontecido na história. Ele, então, conta que uma vez tentou se fundir com Rose, depois de Pearl ter explicado a importância da fusão para as gems; porém, sem muito sucesso. Connie pergunta: “então vocês nunca foram capazes de se fundir?”, para o que Greg responde: “não, mas isso não era tão importante quando conversar um com o outro”.

Num episódio mais recente, Mr. Greg (terceira temporada, episódio 8), Greg, Steven e Pearl vão para a glamourosa Cidade Império. Lá, Steven faz com que Greg e Pearl conversem sobre a “morte” de sua mãe. Para convencer os dois a conversarem, ele canta: “Why don’t you talk to each other?/ Why don’t you talk about what happened?/ I know you’re trying to avoid it/ But I don’t know why“. (Por que vocês não conversam?/ Por que vocês não conversam sobre o que aconteceu?/ Eu sei que vocês estão evitando isso?/ Mas eu não sei porquê).

Fica claro, então, que o Steven sabe que os dois precisam conversar um com o outro sobre o que aconteceu; eles não podiam simplesmente continuar naquela relação conturbada e a única forma de arrumar isso era conversando. Eu podia citar outros exemplos, mas acho que esses dois episódios dão um foco maior sobre a importância de conversar.

 

3. Você não pode forçar alguém a te amar.

Aqui vai uma lição de dois desenhos, Gravity Falls e Star vs. The Forces of Evil.

Em Gravity Falls, nós temos dois personagens que mostram duas facetas de relacionamentos amorosos durante a adolescência e pré-­adolescência: Mabel, que sofre paixonites constantes, mas que sempre dão errado, e Dipper, que é apaixonado por uma menina mais velha (e com quem ele não tem a menor chance). Vamos focar na Mabel primeiro.

No quarto episódio da primeira temporada, os dois conhecem Gideon, um menino com poderes psíquicos. Mabel o acha incrível e tem uma pequena queda por ele. Gideon, no entanto, tem toda a Catarata do Iguaçu por ela, e acaba indo um pouco além do limite quando eles “terminam” (coisa básica, tipo invocar uma criatura caótica e diabólica que planeja destruir toda a realidade).

Untitled-1.png

Dipper, por outro lado, faz de tudo para que Wendy, sua eterna paixão, note e se apaixone por ele (mas num nível mais ok, tipo fazendo várias cópias de si mesmo ou alterando a linha do tempo). Porém, no final do verão, Dipper percebe uma coisa: você não pode fazer com que alguém se apaixone por você; se isso acontecer, precisa ser por quem você é.

Já em Star vs. The Forces of Evil, Tom, o ex-­namorado do mundo inferior de Star, faz de tudo pra ter ela de volta; inclusive sabotar o dia da profissão fazendo a Star acreditar que a única opção dela é virar a Rainha de Mewnie e fazer dele o Rei.

Marco, então, vai até o mundo inferior para fazer Tom mudar o que ele fez. Apesar de suas tentativas falhas de vencê-lo no pingue-­pongue (sim, pingue­-pongue), Marco consegue fazer com que Tom perceba que é errado tentar forçar alguém a se apaixonar por você.

 

4. Você não precisa entender os outros, você só precisa aceitar.

No primeiro episódio da sétima temporada, nós descobrimos que a Princesa Jujuba (ou Princess Bubblegun, a PB) tem um irmão, Neddy, um dragão-­doce. Os dois vieram da mesma massa de chicletes, porém, Neddy não se desenvolveu da mesma forma que PB. De fato, os dois são tão diferentes que ele tem medo de outras pessoas (ou o mais próximo de pessoas que existe no mundo de Adventure Time), enquanto ela é a princesa do Reino Doce.

Quando PB é exilada e o Rei de Ooo (King of Ooo, ou Koo) descobre sobre Neddy, ele assusta o dragão-­doce, que acaba fugindo. Finn e Jake vão, então, atrás da PB para descobrir o que fazer. No final do episódio, após resgatarem Neddy, Jake pergunta como é possível, apesar dos dois virem da mesma gosma, que PB seja corajosa, enquanto Neddy não. PB então responde: “People get build different. We don’t need to figure it out, we just need to respect it.” (Pessoas são formadas diferentes. Nós não precisamos entender isso, nós precisamos respeitá-­las.)

Isso é uma mensagem importante para se passar, principalmente nos dias de hoje: existem várias pessoas, mas elas não são iguais. Você não precisa compreender cada significado da vida delas para respeitá-­las, no entanto.

 

5. Crescer é uma habilidade incrível.

Aqui vai uma lição que fica melhor exemplificada com dois vídeos de Steven Universe.

O primeiro é do episódio Lion 3: Straight to Video, da primeira temporada. Abaixo segue a transcrição e tradução da cena que se passa em 1:12 a 1:39.

Isn’t it remarkable, Steven? This world is full of so many possibilites. Each living thing has an entire unique expirience. The sights they see, the sounds they hear… they lives they live are so complicated a­and so… simple. I can’t wait for you to join them.

(Não é incrível, Steven? Esse mundo é cheio de tantas possibilidades. Cada ser vivo tem uma experiência completamente única. Os lugares que eles enxergam, os sons que eles ouvem… as vidas que vivem são tão complicadas e t­ão… Simples. Eu mal posso esperar pra você se juntar a eles)

O outro é do episódio Greg the Babysitter, da terceira temporada. Abaixo a transcrição e tradução da cena em 0:45 a 1:51.

“You wouldn’t believe how long it took me to figure out that this and you are the same thing.”
“What do you mean?”
“You’re both human! You have to admit, it’s a little confusing. You’re big and can talk and he’s small and can only make noises… how was I suposed to know you’re the same species?”
“Haha, what?”
“I know, it’s silly. But, then I started to notice, that you grow.”
“Well, can’t play guitar with little baby hands.”
“Hehehe! When a gem is made, it’s… for a reason. They burst out of the ground already knowing what they’re suposed to be, and… that’s what they are. Forever. But you, you’re suposed to change! You’re never the same, even moment to moment, you’re allowed and expected to… invent who you are. What… an incredible power! The hability to… grow up.”

(“Você não vai acreditar quanto tempo eu demorei pra perceber que isso, e você, são a mesma coisa.”
“Como assim?”
“Vocês dois são humanos! Você tem que admitir, é um pouco confuso. Você é grande e consegue falar, e ele é pequeno e só consegue fazer sons… como eu deveria saber que vocês são a mesma espécie?”
“Hahaha, o quê?”
“Eu sei, é bobo. Mas então eu comecei a perceber, que vocês crescem.”
“Bem, não dá pra tocar violão com pequenas mãos de bebê.”
“Hehehe! Quando uma gem é feita é… Por um motivo. Elas saem do chão já sabendo o que elas devem ser e… Isso é o que elas são. Pra sempre. Mas vocês, vocês devem mudar! Vocês nunca são os mesmos, nem de um momento pro outro, você é permitido e se espera que você… Invente quem é. Que poder incrível! A habilidade de… Crescer.”)

 

Paulo/ Corvo

meus textos | twitter | tumblr

Finge que estuda elétrica e tem menos atenção do que palavras nessa bio. Não sabe gostar de coisas casualmente e é viciado em trilha sonora.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s