A Torre Negra: Um Epílogo de 300 páginas

Faz algum tempo que não faço um post de “falar mal” aqui no blog. Quem conversa comigo acha que é hobby meu falar mal das coisas, mas na verdade eu gosto muito mais de falar das coisas que eu gosto. Mas enfim, esse é um post de falar mal.

Com o filme A Torre Negra estreiando nos cinemas esta semana, achei válido trazer um pouco sobre a leitura do livro que fiz recentemente. Eu, como boa leitora, sempre procuro ler o livro antes de sair o filme (sim, para poder soltar o clássico “o livro é melhor” depois dos créditos), e com A Torre Negra de Stephen King não foi diferente. Assim que anunciaram o elenco com Idris Elba, eu corri para a livraria pegar a minha cópia, e finalmente comecei a ler essa série que eu estava procrastinando há anos.

le-pistolero

#pracegover: imagem de um homem de costas com chapéu de caubói e um casaco voando ao vento, uma torre muito alta no fundo.

Bom, daí vem a parte ruim. Eu não gostei do livro.

Continuar lendo

Misery: Quando a fandom vai longe demais

misery

É uma verdade universal reconhecida que um jovem em busca de algo de terror para ler inevitavelmente vai acabar na sessão de Stephen King.

Comecei a ler King com O Iluminado e depois Carrie. São dois de seus melhores livros, com certeza, e grandes clássicos perpetuados através das telonas. Contudo, nenhum dos dois conseguiu evocar dentro de mim a sensação que eu buscava nessas histórias — o medo mais profundo, aquela sensação de inquietação dentro de si.

Mas até hoje, o único livro de Stephen King que me intimidou de verdade foi Misery. Continuar lendo